Gabriel Popof © Mucem

Gabriel Popof © Mucem

Prepare a sua visita

(Português)

Compre o seu bilhete

As exposições em 2019

On danse ? (Dançamos?)

23 janeiro — 20 maio 2019

Jerome Bel Shirtologie©R B Jerome_Bel

Circulando no seio de um espaço imersivo onde o vídeo assume um papel central, viva a experiência da dança, não como ato reservado a virtuosos, mas como atividade partilhada por todos. Com Trisha Brown, William Forsythe, Jérôme Bel…

 

Instant tunisien – Les archives de la révolution (Instante tunisino – Os arquivos da revolução)

20 março — 30 setembro 2019

Sans titre, février 2011 © Yacine Bousselmi

A revolução tunisina (dezembro 2010 – janeiro 2011) é uma revolução inédita com mais de um título. Na era da comunicação digital, deu origem à combinação de novas tecnologias e da rua, introduzindo um novo tipo de mobilização, novos modos de ação política, novas expressões artísticas.
A exposição retrata os vinte e nove dias da revolução tunisina desde o incêndio em Sidi Bouzid até à queda do presidente Ben Ali.

 

Persona. Œuvres d’artistes roumains (Persona. Obras de artistas romenos)

5 abril — 23 junho 2019

Anca Benera & Arnold Estefan, Isa, por ës homou vogymuk (We are all dust and ashes) [Nous ne sommes que cendres et poussière], 2017-en cours © Courtoisie des artistes

 

 

Por motivo da máscara como ponto de partida, a exposição “Persona” propõe uma nova abordagem da questão das identidades múltiplas. Misturando arte contemporânea, folclore e artes populares, apresenta as criações de oito artistas romenos de gerações diferentes.

 

Les Reliquaires de A à Z (Os Relicários de A a Z)

10 abril — 9 setembro 2019

Bras-reliquaire, région alpine, 1650-1700 Bois sculpté, peint et doré, métal 71 × 37 × 19 cm - Mucem, Marseille © Mucem / Yves Inchierman

A como “Agnus Dei”, B como “Bras”, C como “Custode”, D como “Dent”… Os grandes temas ligados às práticas e à crença cristãs declinam-se em 26 cartas através da exposição “Os Relicários de A a Z”: um abecedário místico composto a partir das coleções do Mucem!

 


Jean Dubuffet, un barbare en Europe (Jean Dubuffet, um bárbaro na Europa)


2 maio — 2 setembro 2019

Jean Dubuffet, Lion dans la jungle, 20 mai 1944, Collection privée, Europe © Vincent Everarts © Adagp, Paris 2019

O Mucem presta homenagem a Jean Dubuffet e explora todas as facetas de uma obra exuberante. Inventor  da “Arte Bruta”, defendeu uma certa conceção da arte que coloca em causa, nos anos 1950, os sistemas de valor dominantes instituídos pela cultura e pela suposta inferioridade de artes ditas primitivas.

 

Le temps de l’île (O tempo da ilha)

17 julho — 18 novembro 2019

Chris Kenny Fetish Map of the British Isles©Chris Kenny, photo Gabriel Kenny Ryder

 

Cruzando cartas europeias e oceânicas, robinsonadas, utopias de outrora e de hoje, instalações de artistas… a exposição revisita as imagens à volta da ilha para melhor compreender os seus papéis no imaginário e na realidade atual.

 

Jean Giono 

30 out. 2019 — 18 fev. 2020

Jean Giono par Denise Bellon, Manosque, 1941

Um percurso pela obra e pela personalidade desta grande figura da literatura francesa, longe da imagem comummente admitida do escrivão provençal.

 


Connectivités (Conectividades)

Exposição permanente

 

Uma história das grandes cidades portuárias no Mediterrâneo nos séculos XVI e XVII. O exemplo de megalópoles e de metrópoles contemporâneas interroga igualmente esta história urbana no século XXI.

 

Ruralités (Ruralidades)

Exposição permanente

Thumbnail

“Ruralidades” explora os fundamentos da agricultura e da produção animal no Mediterrâneo. Do Neolítico aos nossos dias, da invenção da agricultura ao nascimento dos deuses, a exposição propõe uma odisseia de 10 000 anos à descoberta dos homens, das culturas e das técnicas que contribuíram para moldar o mundo de hoje.

 

DIAS E HORÁRIOS DE ABERTURA

O Mucem está aberto todos os dias, exceto terça-feira
Fecho excecional nos dias 1 de maio e 25 de dezembro
De 5 de novembro a 30 de abril    11h—18h
De 2 de maio a 6 de julho    11h—19h
De 7 de julho a 2 de setembro    10h—20h
De 3 de setembro a 4 de novembro    11h—19h

Fecho das bilheteiras 45 minutos antes do fecho do local.
Fecho das salas de exposição 15 minutos antes do fecho do local.

Tarifas

Exposições permanentes e temporárias

Bilhete Mucem apenas: 9,50 € /5 € (exposições permanentes e temporárias)
Bilhete Família : 14 € (para 5 crianças no máximo e 2 adultos)

Os bilhetes são válidos no próprio dia para uma entrada em todos os espaços de exposições do J4 e do fort St Jean.
 

Audioguia

Tarifa única de aluguer: 3,50 € / gratuito para os visitantes deficientes
Disponível em 5 línguas (francês, inglês, espanhol, alemão, italiano) nas bilheteiras.
Tarifa aplicável em visita individual ou em grupo.

O Mucem no city-pass da cidade

A entrada para o Mucem está incluída no City Pass (link para http://resa.marseille-tourisme.com/fr/voir-et-a-faire) da cidade de Marselha e no City Pass Marseille Provence.

Vestiário

Existe um vestiário gratuito e acessível no nível -1 do J4 : perto dos bancos, de bengala assento, de carrinho de criança e de lupas.

Moradas e contactos

Museu das civilizações da Europa e do Mediterrâneo

7 promenade Robert Laffont (praça J4)
13002 Marselha

Reservas e informações
04 84 35 13 13
reservation@mucem.org

Receção administrativa
04 84 35 13 00

Acesso visitantes individuais
Entrada baixa forte Saint-Jean : 201 quai du Port (à 10min a pé do metro Vieux-Port)
Entrada Carrinho: Átrio da igreja Saint-Laurent, praça da Tourette
Entrada J4: 7 promenade Robert Laffont (praça J4, a 10 minutos a pé do metro Joliette)

Centro de conservação e de recursos

1, Clovis Hugues
13003 Marselha

Reservas e informações
04 84 35 14 23
reservationccr@mucem.org

Em acesso livre de segunda a sexta-feira das 14h às 17h e por marcação das 9h às 12h30.
Por favor, leve consigo um documento de identificação aquando da sua visita ao CCR.

Aberturas excecionais para a noite europeia dos museus e as Jornadas Europeias do Património.

Autocarro: linha 49 (paragem Belle de mai La Friche) e linha 52 (paragem Arquivos Municipais)

Metro: linhas 1 e 2—paragem Estação St-Charles
Outros acessos Estação SNCF Marseille Saint-Charles—Estação rodoviária St-Charles
Elétrico: T2—paragem Longchamp

Vir ao Mucem

De metro

De metro (cerca de 10 minutos a pé):
Paragem Vieux-Port ou Joliette

De elétrico

Cerca de 10-15 minutos a pé :
Elétrico T2 - paragem République/Dames ou Joliette
 

De autocarro

Linha 82 e 82s - paragem Mucem / Fort Saint-Jean - linha de noite 582
Linha 60 - paragem Littoral Major ou Mucem Saint-Jean
Linha 49 - paragem Igreja Saint-Laurent, Mucem /Forte Saint-Jean
City Navette
 

De automóvel

Existem vários parques de estacionamento muito perto do Mucem

— O parque de estacionamento Indigo Vieux-Port Fort Saint-Jean tem acesso direto pela autoestrada A55 pelo Túnel da Joliette ou pela Boulevard du Littoral.
Saída pedonal na praça J4. (Coordenadas GPS: (Lat N/Long E): 43,297167/5,361350)

Obtenha um desconto de 30% sobre a tarifa do seu lugar reservando antecipadamente.

Desde o aeroporto de Marseille Provence

Vaivém expresso entre o aeroporto e a estação Marselha St Charles.
Partida dos vaivéns aos 15 minutos a partir do MP1 entre os Halls 3-4 e 1.
> Consulte o site http://www.navettemarseilleaeroport.com/

Desde a estação Saint-Charles:
Metro direto Vieux-Port ou Joliette (linhas 1 ou 2)

De bicicleta

Estação Bicicletas n.° 2179—Cais do Porto
Estação Bicicletas n.° 2031—Joliette
Estação Bicicletas n.° 2210—Praça J4

> Consulte o site http://www.levelo-mpm.fr/

Vir em grupo

2 possibilidades de visita :

- Visita guiada com um conferencista do Mucem
- Visita autónoma com o seu guia ou com o áudio-guia
Uma faixa horária das 9h às 11h é reservada aos grupos, exceto em julho e agosto. A partir das 11h, as faixas horários para grupos estão abertas consoante a disponibilidade.

Reserva obrigatória : reservation@mucem.org
+33 (0)4 84 35 13 13 (diariamente das 9h às 18h)

Descobrir os incontornáveis

O edifício do J4, entre o céu e o mar

Thumbnail


Virado para o mar, o cubo com elegantes rendas de betão é um dos símbolos do novo rosto de Marselha. Entre proezas técnicas e potência estética, esta arquitetura, ligada ao forte Saint-Jean por uma grande passarela aérea, oferece lindíssimos panoramas.

 

O forte Saint-Jean, um monumento histórico

Thumbnail


À entrada do Vieux-Port, o forte com aspeto de aldeia oferece múltiplas descobertas: percurso histórico entre torres e muralhas, passeio botânico… Uma passarela liga-o ao bairro de Panier, garantindo uma continuidade entre centro-cidade histórico e museu.

 

Três restaurantes, uma cozinha mediterrânica

Vignette


Bistrot chique, brasserie, café…. Diferentes espaços de restauração são propostos por Gérald Passédat, para várias pausas gulosas. Todos os dias exceto às terças e aos domingos à noite.

 

As livrarias Maupetit Actes Sud

Thumbnail


As livrarias convidam a continuar a visita bem além do recinto do museu. Todos os dias exceto terças, das 10 h até à hora do fecho do museu.

Vigipirate

vigipirate

Não são permitidos sacos de viagem e bagagens no local.
Tem à sua disposição um vestiário para os seus pertences autorizados.
Agradecemos-lhe a sua compreensão.

 


Exposições passadas


2018

A Galeria do Mediterrâneo

Thumbnail


Exposição permanente
Uma apresentação das grandes características das civilizações mediterrâneas, num percurso cheio de uma grande variedade de objetos e de obras de arte, proveniente, em parte, das coleções do Mucem.

 

Roman-photo (Romance em fotografia)

13 de dezembro de 2017 - 23 de abril de 2018

Thumbnail


Nascido na Itália em 1947, o romance em fotografia conheceu um sucesso imediato e durante aproximadamente um quarto de século, foi um bestseller da literatura popular mundial. Valorizando obras de arte do género, esta exposição propõe dar a conhecer o romance de fotografias, recebido como um subgénero vulgar, de contar uma época, os seus sonhos e os seus medos. Mostrará igualmente a produção coincidentes de literatos, pornógrafos, satiristas que se apropriaram o seu processo narrativo.

 

L’amour de A à Z (O amor de A a Z)

14 de fevereiro - 27 de agosto de 2018

Thumbnail

 

Os grandes temas amorosos declinam-se em 26 letras, num abecedário meigo e tórrido composto a partir das coleções do Mucem. Sedução, declaração, namoro, erotismo, ciúme... Vá à sala das coleções do forte Saint-Jean para uma deambulação lânguida ao longo de múltiplas nuances do sentimento amoroso, tal como se exprime, do século XVIII aos nossos dias, nas sociedades da Europa e do Mediterrâneo.

 

Voyages imaginaires: Picasso et les ballets russes (Viagens imaginárias: Picasso e os balés russos)

16 de fevereiro - 24 de junho de 2018

Thumbnail

 

Para a cenografia e os trajes dos quatro espetáculos dos balés russos que criou entre 1917 e 1921, Picasso inspirou-se no teatro popular italiano, na dança tradicional espanhola, na mitologia napolitana e na religião. A exposição reflete os trajes dos espetáculos com as obras do artista e os objetos recolhidos das coleções do Mucem, revelando as ligações privilegiadas que unem o artista às artes populares.

Picasso-Mediterrâneo, uma iniciativa do Museu Nacional Picasso-Paris: www.picasso-mediterranee.org. Esta exposição foi realizada com o apoio excecional do Museu Nacional Picasso-Paris.

 

Or (Ouro)

25 de abril - 10 de setembro de 2018

Thumbnail

 

Objeto de cobiça e de conquista, tradicionalmente símbolo do poder e da riqueza, o ouro é também, pela sua própria elasticidade, o material de todas as metamorfoses; qualidade que é, na verdade, um apoio poético privilegiado nas artes. Cruzando arqueologia, história e criação contemporânea, a exposição faz dialogar obras e objetos heteróclitos; da pepita de ouro às instalações monumentais contemporâneas, passando pelo adorno antigo e o traje de pompa.

 

Ai Weiwei Fan-Tan

20 de junho - 12 de novembro de 2018

Thumbnail

 

O Mucem convida o artista chinês Ai Weiwei, um dos maiores ícones da arte contemporânea, a propor um diálogo entre as suas obras e as coleções do Mucem. Fotógrafo, arquiteto, escultor, intérprete, cinegrafista… Ai Weiwei é um artista completo. Derrubando as convenções e desafiando as autoridades do seu país, é conhecido pelo seu caráter provocante. A sua arte interroga o conformismo, a alienação e o paternalismo na sociedade contemporânea, centrando-se na nossa relação com o poder e na nossa capacidade emancipadora.